ARTESÃO DA LITERATURA

segunda-feira, 7 de março de 2016

Realidade - Luci Nóbrega


Me abalo, me calo, não falo
Me calo, não falo, me abalo.
Não falo, me abalo, me calo.


Todas as injustiças vividas,
Que este povo calejado teve que suportar,
Tristezas acompanharam por toda a vida,
Sem direito de reclamar
Não falo, me abalo, me calo.



Os anos deixaram a saudade,
Da liberdade que o povo não pôde viver
Mostraram apenas uma realidade
E os sonhos, este povo teve que esquecer.
Me abalo, me calo, não falo.



Vi muita gente sofrida,
Seus semblantes eram pura desilusão,
Mas toda essa experiência vivida,
Fez com que voltasse a razão.
Me calo, não falo, me abalo.




Ao pensar num passado recente,
Ajudo esse povo analisar
Sua importância na história
Eugène Delacrix (1798-1863)
Enchendo o povo de glória
E ânimo para continuar a lutar.
Não me abalo, não me calo, falo.



Cresce no coração dessa gente
A vontade de gritar,
Por justiça e Liberdade
E seus objetivos e direitos alcançar.
Falo, abalo, não calo.
ARTESÃ AMIGA

LUCI NÓBREGA
Luciangela Nogueira Lima de Nóbrega, casada, duas filhas, assina seus livros como Luci Nóbrega. Escritora e professora. Licenciada em Letras - Português, Inglês e Literaturas - Pós graduada em Docência do ensino Superior. Psicologia comportamental educacional. "CONTADORA DE HISTÓRIAS" para crianças, adolescentes e adultos, acredita que a educação pode ser prazerosa e seu aprendizado significativo através de uma boa leitura, sendo a literatura capaz de transformar as pessoas, levando-as à reflexões,questionamentos, crescimento intelectual e compreensão de que o respeito e amor devem caminhar sempre juntos. Cada indivíduo está aqui para cumprir sua missão porque...O ACASO NÃO EXISTE...
Área de anexosVisualizar o anexo FB_IMG_145719

2 comentários:

  1. Palavras engolidas abala.
    Palavras ditas abalo.
    Delicioso poema.

    ResponderExcluir
  2. Você conhece os livros da Luci Nóbrega? Vale a pena!

    ResponderExcluir